quinta-feira, 27 de julho de 2017

REFLEXÃO DO DIA, por Tádzio Nanan


Os iludidos da religião, que creem em deus; os iludidos da política e suas utopias; os iludidos da economia e a crença no crescimento econômico infinito; os iludidos da ciência e a quimera de um conhecimento redentor; os iludidos da filosofia e o delírio do indivíduo pleno, da vida plena...
Todos eles, cada qual a seu modo, acreditam na bem-aventurança eterna (no céu ou na Terra...).
Crianças tolas, mimadas! 
O "projeto" humano está irremediavelmente associado à agridoce poesia da PRECARIEDADE! Sim, somos seres PRECÁRIOS!
A todos vocês que desejam muito uma verdade para celebrar, que tal o frio avançar dos ponteiros e onde ele vai desaguar?
Ou celebremos uma verdade mais branda: a (irrelevante?) arte!

segunda-feira, 10 de julho de 2017

REFLEXÃO DO DIA, por Tádzio Nanan

O paradigma “produtivista” das economias mercantis contamina tudo e leva-nos a deduzir, falsamente, que o sentido da vida é seguir sempre fazendo/obtendo mais e mais coisas, de preferência em cada vez menos tempo! Acumular, acumular, acumular, exatamente como fazem os detentores do capital: acumular pessoas (nas redes sociais, p.ex.), bens, experiências, informações (para quê?).
Entretanto, um entendimento mais sábio e mais saudável do que seja viver (vida humana definitivamente não é igual à economia!) sugere exatamente o contrário: que estejamos cada vez mais profundamente ligados às coisas e pessoas que realmente nos importam e que verdadeiramente desejamos para nossas vidas, fruindo cada instante na plenitude, de forma serena e compartilhada.
No fim, a diferença entre os dois caminhos é a diferença entre o falso e o verdadeiro, o superficial e o profundo, o acessório e o essencial, o inútil e o útil, o livremente determinado e o compulsivo, a consciência e a alienação!

quarta-feira, 5 de julho de 2017

sábado, 20 de maio de 2017

MELODIA PARA ALES





MELODIA E INTERPRETAÇÃO: TÁDZIO NANAN

segunda-feira, 15 de maio de 2017

MELODIA E POEMA PARA NORMINHA





MELODIA E INTERPRETAÇÃO: TÁDZIO NANAN

HOMENAGEM DE ANIVERSÁRIO E DIA DAS MÃES

sábado, 6 de maio de 2017

A VIDA EM MIM..., por Tádzio Nanan

A vida em mim é miragem
Embuste, enganação
Os sentidos agem
Para minha desorientação

A vida em mim é fratura
Rompimento
É uma nuvem escura
Sobre o meu sentimento

A vida em mim é ausência
Significa pouco ou nada
Tudo em mim dorme
Tudo em mim tarda

A vida em mim é fora de hora
É sempre antes ou depois
Nunca é já ou agora
A vida nunca é nós dois

A vida em mim é inverno
Chuvoso esquecimento
Esperançoso, sonhei
Sonho que se perdeu no vento

A vida em mim é abismo:
Meu eu profundo,
Minha face desconhecida
Rivalizam, segundo a segundo

A vida em mim é escassa
O instante é difícil, doído
Meu coração combalido
Nem vê o tempo que passa

A vida em mim é cansada
Foge-me a coragem, o entusiasmo
Diante do mundo, eu pasmo:
Não tenho coragem de nada

A vida em mim é ferida
Em carne viva, fratura exposta
Não encontro resposta
Para as interrogações da vida

A vida em mim é prisão:
Nunca fui lar para mim mesmo
Estou sempre perdido, a esmo
Entre a luz e a escuridão

A vida em mim é abandono
Sozinho, escureço
Me esquecem, me esqueço
Caído em vertiginoso sono


terça-feira, 18 de abril de 2017

TUDO EM MIM, por Tádzio Nanan


tudo em mim é profundo e intenso
encontro de dois rios imensos
pensamentos se chocam
emoções se confundem
enquanto em mim os extremos
se tocam e se fundem

tudo em mim é enigmática subversão
com o espelho ter animada conversação
minh´alma repleta de sulcos (esquecidos caminhos)
meu corpo etéreo só quer se encontrar com o Mistério

as coisas em mim não transitam: vêm e vão
ou elas dormem para sempre ou agem cegamente, todo dia
tudo em mim me revela, mas não me anuncia

tudo em mim é dilúvio, cataclismo
minha mente aberta ao abismo
a vida em mim é tudo ou nada
em meu coração fica guardada
quando chega a hora
se arroja em fogo, em vento
e me traz de volta o momento

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

O GATO IAN. NÃAO... IAN, O GATO!, por Tádzio Nanan







Gato gaiato
Que me faz rir
Nesse insensato
Ir e vir

Seu chacoalhar o rabo
- Cuidado! 
É prenúncio de ventania...
Enfrentá-lo ali, quem ousaria?

Às vezes, tranquilo, apaziguado
Deita e assiste o tempo passar
Sonhando com o próximo telhado
E as felinas que vai namorar

Dado a traquinagens e valentias...
Mal-humorado e resmungão...
Aos poucos, ganhou meu coração
Deu mais suavidade a meus dias

Uma nova esquisitice por mês:
Miado gutural, cenho cerrado
Pra gente se sentir culpado:
“E meu passeio no quintal,
A que estou acostumado?
E a provinha do jantar?
Meu paladar é refinado!”...

*

Seu vulto cinza e dançante
Seus olhos de lince, amarelos
- De muitos segredos e anelos
São de um esplendor triunfante

Íntimo de insondáveis mistérios
- Ian capta no ar suas vibrações
Soberano de inefáveis impérios
Que se prolongam em nossos corações

*

Gato gaiato
Que me faz rir
Nesse insensato
Ir e vir...
Insensato? Nem tanto!
Ele busca é uma chance
De se evadir!

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

PENSAMENTO (POÉTICO) DO DIA, por Tádzio Nanan

Quando os tempos forem outros e outro for o mundo,
Quando as pessoas forem diferentes,
Ainda serei o mesmo,
O mesmo, tão somente.
E o abismo aberto entre nós
Será profundo e permanente.
Até o atrasado dia que eu me fizer ausente.

domingo, 22 de janeiro de 2017

PENSAMENTO (POÉTICO) DO DIA, por Tádzio Nanan


Se era para ser finito,

Que não me tivesse

Sido dado o grito

Da consciência!

Dessa contradição nasce Deus.

Deus nasce da compreensão da impermanência.

sábado, 21 de janeiro de 2017

PENSAMENTO (POÉTICO) DO DIA, por Tádzio Nanan

Tão irrelevante, tão pequeno,

E ainda assim tão sereno,

E ainda assim tão pleno.

Qual a mágica desse sentimento?

Desse pensamento, qual a mágica?

Aceitar com leveza nossa con(tra)dição trágica!



segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

A REDOMA, por Tádzio Nanan


Na redoma não há permuta de ideias e sentimentos; palavras e afetos aqui não chegam, daqui não partem.
(Vem Penélope, enquanto nossos corações ardem...)

Sob sua vil influência, o afã pela vida é esperança natimorta.
(Às vezes, o mais difícil é passar a soleira da porta...)

De quando em quando, furiosamente a golpeio, numa tentativa de afirmar meus desejos; a redoma treme, estilhaça, mas logo se refaz, mais poderosa.
(Saudades dos sonhos juvenis e das amantes pressurosas...)

Dentro dela, minhas palavras perdem a força vital que as mantem vibrando no ar, e caem no esquecimento.
(Natureza, sol, vento, tragam-me algum alento...)

No vácuo entre a redoma e o mundo, não ouço o chamado da vida, não sinto a urgência das horas. Os espaços se estreitam, o tempo é suspenso, a realidade evapora. O impulso é ceder e calar. 
(Ar, ar, amor, amar...)

O mundo é apenas miragem, sem a linguagem.
(Ah, voltar a ser selvagem...)

A redoma é entidade vetusta, misteriosa, quiçá indecifrável.
Estarei dentro dela? Ou ela estará dentro de mim? 
(A redoma é meu coma, mas não será meu fim!)

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

VIVER MIL ANOS, por Tádzio Nanan


queria viver mil anos apenas para testemunhar imprevisíveis mudanças acometerem o mundo a nossa volta!

viver mil anos, para ver...
as ventanias da história varrerem, como folhas secas, de outonos trágicos, para os confins da lembrança, deuses, homens, civilizações, significados; varrerem as ilusões da vaidade, os ridículos desejos de glória e eternidade;

para ver...
os diligentes operários da desconstrução tecerem a inexorável teia da impermanência - traças dizimando memórias de outrora; noites gestando revolucionários novos dias; inéditos pensamentos inspirando movimentos, embates, tensões, desafiando anacronismos;

viver mil anos, para ver...
um eventual retorno nosso ao útero materno: um silencioso e apaziguado universo;
saltos evolutivos, inesperadas auroras;
interregnos, retrocessos, ocasos;
segundo as leis do acaso, ou outras, incognoscíveis.

para ver...
a evolução da vida e as alquímicas transmutações da consciência desenharem os caminhos do infinito!
até o Grande Desconhecido!

triste ter de dormir, adiante, com tamanha saudade desse espantoso amanhã invivido!

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

LIÇÃO, por Tádzio Nanan


Faminto de sentido? Sedento de significado?
Agarre o trivial (tantas vezes, raro): ame e seja amado.

Com sede de completude? Com fome de totalidade?
Um caminho promissor é abraçar a espiritualidade.

Deus? Ciência? Filosofia?
Amor? Ambição? Sabedoria?
Escolha seu caminho e nele siga, determinado.
Até a centelha da vida (a grande ilusão) ter se apagado...
Até o sopro da vida nas ventanias do mundo ter se dissipado...

Faminto de significado? Sedento de sentido?
Ansioso por mergulhar nas profundas águas do rio do entendimento?
Aqui está a lição número um: o homem nasceu para o esquecimento...

sábado, 7 de janeiro de 2017

SER EU DE NOVO, por Tádzio Nanan


não acredito mais em mergulhar nos vazios da alma, no silêncio das horas, no escuro do mundo
nem em montar o corcel alado dos delírios, cavalgando rumo a ignotas constelações, desejoso de revelações astrais
ou em embarcar na nau mística das coisas inominadas - não quero mais ser louco, ou ser nada

chega de sufocar nos labirintos da dúvida ou de me jogar nos abismos da razão (como se lá pudéssemos intuir as verdades secretas da vida, mas não podemos)
chega de ser este personagem: o que se perdeu de si, o que se desligou do mundo, o que se afastou do caminho

não quero mais questionar tudo, com tantas e tamanhas indagações - quero o sentido do simples e o simples sentido, hoje me satisfaz uma certa ignorância humilde, acolhedora
não quero mais perder o chão, os sentidos, o juízo, em incursões frenéticas aos ocultos palcos da existência
quero pés na areia, cachos e pensamentos ao vento, olhares fixos no agora, na ágora
conectar-me com as redes do mundo, com as gentes do mundo, com o divino ao redor
encontrar-me comigo outra vez, ser eu de novo, para seguir em frente
seguir em frente oferecendo mais de mim aos outros, ao mundo


sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

NESTE NOVO ANO..., por Tádzio Nanan


Quero ser menos sonhador para mergulhar mais na vida
Em sua glória, em seu horror, em sua dualidade doída

Quero ser menos razão, para mais forte o coração pulsar
Caridade, compaixão, justiça são o nosso espiritual pão, o nosso espiritual lar

Quero ser menos o ontem e mais o amanhã
- O porvir jamais será uma luta vã

Quero ser menos luto e mais entusiasmada celebração
Deixar de me martirizar por as coisas serem o que são

Quero ser menos brisa e mais ventania
- Que a força dos elementos reverbere em mim e em minha poesia

Quero ser menos calor e mais luz
Ser menos igual a César e mais igual a Jesus

Quero ser menos o corriqueiro, para me entregar ao espanto
Seguindo as veredas da imaginação, que eu prezo tanto

Quero ser menos eu e mais os outros
Suavemente, me achegar neles, tocando seus corações aos poucos

Quero ser menos ausência e mais companhia
Multiplicando a fé, dividindo o cansaço do dia

Quero ser menos lúcido, minha consciência abrindo ao infinito
Quando enxergamos para além do óbvio tudo é tão mais bonito

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

SUBMISSÃO, por Tádzio Nanan


Como é difícil ter de amansar a fera inerente, pô-la em reforçada corrente
Afinal, ela sou eu
Como é difícil ter de tolher seu impulso vital, seu instintivo desejo de se saciar
Que também é o meu

Pois ao invés de rei
Serei súdito simplesmente
Ao invés do trono e do ouro
Terei de me contentar com as misérias do outro
E sua confusão permanente

Como é difícil ter de calar o deus ambicioso, implacável que em meu íntimo vocifera a todo instante:
Prevalecer, prevalecer, prevalecer

Pois ao invés de divindade
Serei apenas homem
Com fome de glória e sede de vida
Fúria adormecida

Pois ao invés de viver minha vontade
Terei de matar o que sou, o que sinto, para ser o que minto
E submeter-me a ti
Civilização

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

EXORTAÇÃO NATALINA, por Tádzio Nanan

(A todos que precisamos melhorar)


Pede perdão pelo ingente egoísmo
Que silencia a voz do teu coração
Sozinho não chegarás a lugar algum
Sozinho não encontrarás salvação

Pede perdão pelo cruel preconceito
Que flameja, causticante, em teu olhar
Toda diferença é aparente apenas
O que se busca é ser amado, e amar

Pede perdão pela intolerância e desprezo
Com que tratas teus irmãos, semelhantes
Temos origem igual, partilhamos o mesmo ideal
Não importa o quão diferentes ou distantes

Pede perdão pelo acovardado silêncio
- Nunca a palavra se fez tão urgente
Denunciar o avanço do mal, enfrentando-o
Com o esplendor da luz imanente

Pede perdão pela falta de afeto e cuidado
Que enchem de tristeza o coração dos teus...
Unidos no amor nossa alegria é inesgotável
Unidos no amor celebramos o menino Deus!


terça-feira, 20 de dezembro de 2016

IRMÃ SORRISO, por Tádzio Nanan


Irmã Conceição, vocação: AMAR!
Amor que alimenta, acalma, cura
Amor perene, amor que perdura
No coração de quem precisar

Irmã Conceição, guardiã das crianças
Bálsamo teu toque e olhar e sorriso
Cuidar uns dos outros é tudo o que é preciso
Para renovarmos nossas esperanças

Escolheste o amor ou foste por ele escolhida?
Só se sabe que ele brota infinito em teu peito
Quando ao próximo ofereces a mão e tornas o mal sem efeito
Eis a prova cabal de que, sim, vale a pena a vida!

Irmã Conceição, a primavera acompanha teus passos
Arquiteta da misericordiosa e urgente obra do Senhor
Para toda a gente tens um olhar, um abraço acolhedor
E quando sorris - céus!- com Deus estreitas teus laços!

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

MELHORES FILMES VISTOS EM 2016, por Tádzio Nanan

FURYO – EM NOME DA HONRA
FOME DE VIVER
ZELIG
TIROS NA BROADWAY
UM DIA MUITO ESPECIAL
PERDIDO EM MARTE
BATISMO DE SANGUE
CORRENTE DO MAL
EVEREST
SICÁRIO – TERRA DE NINGUÉM
BLADE RUNNER
A LIBERDADE É AZUL
A IGUALDADE É BRANCA
O ILUMINADO
O SILÊNCIO DOS INOCENTES
O EXORCISTA
NOIVO NEURÓTICO, NOIVA NERVOSA
STAR WARS – O IMPÉRIO CONTRA-ATACA
O BEBÊ DE ROSEMARY
MATCH POINT
PERDIDOS NA NOITE
O MENINO E O MUNDO
O ABRAÇO DA SERPENTE
CLUBE DA LUTA
DRÁCULA DE BRAM STOCKER
CHICO – ARTISTA BRASILEIRO
WHITE GOD
A VISITA
007 – SPECTRE
PONTE DOS ESPIÕES
HOMEM IRRACIONAL
MEDO
O PRESENTE
A ROSA PÚRPURA DO CAIRO
CAROL
UM ASSALTANTE BEM TRAPALHÃO
O MORRO DOS VENTOS UIVANTES
ACIMA DAS NUVENS
O SAL DA TERRA
STAR WARS – O DESPERTAR DA FORÇA
OS OITO ODIADOS
BOA NOITE, MAMÃE
NO CORAÇÃO DO MAR
LOUCA OBSESSÃO
A GRANDE APOSTA
SPOTLIGHT – SEGREDOS REVELADOS
STEVE JOBS
CHRISTINE – O CARRO ASSASSINO
TRUMBO – LISTA NEGRA
KISSES ON THE BOTTOM
DEADPOOL
HOMEM-FORMIGA
CURT KOBAIN – MONTAGE OF HECK
A BRUXA
O DONO DO JOGO
GAROTA SOMBRIA CAMINHA PELA NOITE
FLORES RARAS
LOVE
O AGENTE DA U.N.C.L.E
RUA CLOVERFIELD, 10
SOZINHO CONTRA TODOS
EX-MACHINA – INSTINTO ARTIFICIAL
HOME – NOSSO PLANETA, NOSSA CASA
INVOCAÇÃO DO MAL 2
A LENDA DE BEOWULF
AVE, CÉSAR!
FESTA DE FAMÍLIA
PATTON – REBELDE OU HEROI?
O QUARTO DE JACK
CREED – NASCIDO PARA LUTAR
BROOKLIN
NOITE SEM FIM
LOLITA
MOMMY
O NOVÍSSIMO TESTAMENTO
ÁGUAS RASAS
MEU AMIGO HINDU
DESCARTES
SÓCRATES
FRANCISCO - ARAUTO DE DEUS
ZOOTOPIA
JASON BOURNE
CAFÉ SOCIETY
AQUARIUS
O DIA SEGUINTE

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

UMA LETRA PARA A "MELODIA PARA HELENA", por Tádzio Nanan

HELENA
(os pais cantando para a filha recém-nascida)


1) MÃE
Quando eu conheci seu pai
Logo me enchi de paz
Era uma noite tão bonita, ao luar
Procurávamos alguém para amar
Foi assim que cruzamos o olhar
Nos beijamos, depois, junto ao mar

Agora, você veio pra mim
É uma felicidade sem fim
Um anjo enviado por Deus, jamais diremos adeus

Pequena Helena, amor
Estou aqui pro que for
Se precisar, me chame que eu vou

Amada filha, você
É o coração do meu ser
Amada filha, eu vou lhe proteger

2) PAI
Tanto tempo eu esperei por ti
E agora tu estás aqui
Minha vida floresceu outra vez
Minha alma está feliz, outra vez
És a mais bela flor que Deus fez
Tanto tempo eu sonhei com nós três

A luz do teu olhar é o sol
Que iluminará meu dia
E o teu sorriso será minha eterna alegria

Pequena Helena, amor
O mundo é cheio de dor
Mas, se sonhamos, o enchemos de cor

Amada filha, você
Desceu ao mundo pra ser
Esperança de um novo alvorecer

terça-feira, 1 de novembro de 2016

MILLÔNIANA DO DIA - FAZENDO PIADA COM COISA SÉRIA, por Tádzio Nanan



AMEAÇAS NÃO FALTAM: DESASTRE ECOLÓGICO GLOBAL, HECATOMBES NUCLEAR E FINANCEIRA, ENGENHARIA GENÉTICA, INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL, ARMAS DE GUERRA AUTÔNOMAS ETC!

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

POEMA GRÁFICO, por Tádzio Nanan

NASCER, CRESCER, GIRAR
NA ESPIRAL DO TEMPO
GIRAR E SONHAR
COM A LUZ DAS ESTRELAS
SONHAR E CANTAR
OS MISTÉRIOS DO MUNDO
CANTAR E LUTAR
COM A FEROCIDADE DO TIGRE
LUTAR E AMAR
NAS QUATRO ESTAÇÕES
AMAR E CHORAR
AS VICISSITUDES DA VIDA

NASCER, CRESCER... ANOITECER
ANOITECER COMO A LUA

DEPOIS, ESQUECER E DORMIR
ESQUECER COMO AS HORAS
DORMIR O SONO DAS PEDRAS

terça-feira, 4 de outubro de 2016

VÊNUS DE ÉBANO, por Tádzio Nanan


A lasciva noite jaz na epiderme
Exalando a luxúria dos amantes
A magistral nudez, inebriantes
Visões do Éden, obsessão em germe

Deusa de ébano, lábio africano
Divina luz, teu viço encanta
Terrena, mas pura e santa,
Levanta o varão americano!

Negra! Perla singular dos mares
Canto de sirena tomando os ares
E o Odisseu se arrebatando

Manhã de primavera acordando
Êxtase sublime, loucos devaneios
Vertigens noturnas e seus enleios

domingo, 7 de agosto de 2016

Para Jesus de Nazaré - II, por tádzio nanan

Jesus, criança diáfana, criança iluminada,
És sol para as noites da minha esperança;
És a fortaleza que me apazígua e descansa;
Ainda maior que o colo da mulher amada!
Jesus, tu que semeaste o dia em nossas vidas,
Inventando a paz e a irmandade humana;
Dissipando a treva e as ilusões mundanas;
Fazendo outra vez encontro as despedidas...
E que ainda padeceste, traído e humilhado,
E perdoaste aos que te haviam ultrajado,
Ensina-me meu Jesus amado, o amor, o perdão.
E se nosso celestial pai não existir, porventura;
E a realidade do homem for trágica e escura;
Pelo exemplo, maior serás em meu coração!

sábado, 6 de agosto de 2016

Para Jesus de Nazaré - I, por tádzio nanan

Recordando o Nazareno, chorei.
Amei-o como antes não havia conseguido,
Pois minha raiva não o havia permitido,
Não estava pronto para ele. Indaguei,
Pálido de temor, a meu coração exilado:
Serei soldado do que há de pior no mundo;
Terei enterrado os bons sentimentos no fundo
Do peito, que degenerou, petrificou, aviltado?
Que desinteressado ato de amor produzi?
Que gesto de perdão, de união, espargi?
Não devo invocá-lo se não sou digno dele...
Reconfortantes palavras e benfazejas ações,
Que transbordem de amor nossos corações,
É o caminho único para chegarmos a ele!

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

MELODIA PARA HELENA, por tádzio nanan

a partitura não está perfeitamente escrita, mas não chega a atrapalhar a delicada beleza da melodia

domingo, 31 de julho de 2016

Apocalipse - III, por tádzio nanan

Depois, o silêncio ressoou outra vez.
Depois das paixões, a indiferença.
Depois do abscesso, a higidez.
E a solidão maior e a mais intensa.
Depois dos afetos vertidos em arte:
O superior elemento do homem;
E do cogito, ergo sum de Descartes,
Tudo jaz sono, silêncio, ontem.
Só, Ele revê a tudo, sem saudade.
O quanto fizera, apaixonadamente,
Mirando as luzes da consciência.
Mas num lapso criara a iniquidade,
Consumindo tudo, obstinadamente.
E quis pôr fim à sua imprevidência...

sábado, 30 de julho de 2016

Apocalipse - II, por tádzio nanan

Aí, em tua mente, deu-se tudo.
Posta a eternidade do segundo.
Em tua ânsia, o sonho humano afigurou-se,
E o caos, serenamente, organizou-se.
Aí, da tua noite, fez-se o dia,
A ideia absoluta, a fugidia.
Eras tão só, silente, aflito.
Nós somos teu abissal grito.
Hoje, teu coração de pedra imagina
Outra vez a solidão, a ela se inclina.
É assim que os abismos se reencontrarão.
E em tua ígnea face, eterna, atemporal,
Em cujos olhos cintila o além do bem e do mal,
Lá, indistintas, nossas memórias dormirão...

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Apocalipse - I, por tádzio nanan

Antes, quando o homem era lampejo,
Secreto ideal do esfíngico criador
Do espaço-tempo, o ambíguo autor
Da vida e da morte, da entropia e do desejo...
Antes, quando o homem não sonhava,
Quando a ideia da ideia tremeluzia
E a obra do braço humano inexistia,
Déspota incontrastável, Ele reinava...
Antes, quando o verbo estava latente,
Quando o pensamento jazia ausente,
Ele, o absoluto motivo do universo,
Toda a explicação: verso, anverso.
Agora, o homem inverte tudo,
E Deus, taciturno, fica mudo...

domingo, 24 de julho de 2016

GÊNESIS - II, por tádzio nanan

Os dias Dele, um mesmo dia,
Num plano além do espaço,
Onde só solidão e cansaço.
Mas lá, lindo ideal ardia...
Assim, fez luz do luto aterrador,
E sacou a matéria do abstrato,
Num louco e intempestivo ato
De refulgente esperança e amor!
Depois da obra criada:
O homem e sua infinita estrada,
O eterno embate do bem contra o mal,
Lá, no último refúgio astral,
Sentiu-se feliz. Descansou.
E nunca mais acordou!

sábado, 23 de julho de 2016

GÊNESIS - I, por tádzio nanan

No vácuo de sua existência,
Descobriu-se sozinho, desamparado.
A onisciência, quem lhe houvera dado,
A ubiquidade, a onipotência?
E quedou-se meditabundo,
Sem decifrar o íntimo mistério.
Quis renunciar a seu poder, a seu império,
E chorou a dor de um moribundo.
Quis morrer, quis suicidar-se.
Quis que tal noite terminasse.
Matou-se, mas renasceu na solitude...
Quis ficar louco, mas lúcido.
Quis seu negror translúcido.
E maldisse a própria infinitude!

sábado, 9 de julho de 2016

pensamentos do dia, por tádzio nanan

a tal da verdade não passa de um tremendo preconceito

a tal da felicidade não passa de uma tremenda acomodação

a tal da unanimidade não passa de contemporização

a tal da sabedoria não passa de subterfúgio

o gênio não é mais que transpiração

a beleza é só distração

quarta-feira, 29 de junho de 2016

PENSAMENTOS ILUSTRADOS, por tádzio nanan



imagens retiradas da internet
pensamentos por tádzio nanan

sábado, 25 de junho de 2016

millônianas do dia, por tádzio nanan

o Brasil é tão estranho, tão estranho que por aqui os pobres financiam a classe média, a classe média financia os ricos, e os ricos financiam o estrangeiro.

para a grande maioria das pessoas, a vida é um espetáculo que não dá público suficiente.

estamos todos vivos, mas uns estão mais vivos que outros.

pensamento do dia, por tádzio nanan

às vezes, o coração "viaja", mas a cabeça mantém o prumo. outras vezes, a cabeça "viaja", mas o coração toma as rédeas. quando a cabeça e o coração "viajarem" juntos... EU PERDEREI OU GANHAREI O MUNDO!

pensamento metafísico do dia, por tádzio nanan

de uma perspectiva mais ampla, já estamos todos mortos, apesar de respirarmos

sexta-feira, 24 de junho de 2016

millôniana do dia, por tádzio nanan

tendo acumulado uns bons anos de existência, direi, agora, o que aprendi com a vida:


pronto, disse!

dúvida do dia, por tádzio nanan

você costuma corroborar injustiças que o beneficiam particularmente?

paradoxo do dia, por tádzio nanan

o homem é tão diferente de si!

declaração de amor do dia, por tádzio nanan

de todas as verdades do mundo, a mais bonita é que eu te amo!

quinta-feira, 23 de junho de 2016

millôniana do dia, por tádzio nanan

a esquerda não acredita no Papai do Céu, mas acredita piamente no Papai Estado...
a direita acredita no suor do próprio rosto para conquistar as coisas, mas acredita, sobretudo, na herança do papai...

pensamentos do dia, por tádzio nanan

o amor é uma armadilha para nos roubar o mundo, para nos roubar do mundo.

*

o amor nos torna idiotas, porque nos torna pessoas privadas.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

pensamento do dia, por tádzio nanan

na vida, assim como no universo, existem as forças de atração e repulsão. as forças de atração sugerem-nos uma vida em comum, compartilhando desafios, objetivos, ideais. as forças de repulsão nos querem afastados, alheios uns aos outros, universos paralelos, frios e inóspitos.

pensamento do dia, por tádzio nanan

há um perigo espreitando o coraçãozinho de cada sonhador: quando a realidade se impõe, o chão se abre sob seus pés, e ele acaba tragado às profundezas do desespero.

terça-feira, 21 de junho de 2016

millôniana do dia, por tádzio nanan

a vida é uma doença. 
a sabedoria, o único remédio.

pensamento do dia, por tádzio nanan

fazer rir é muito mais importante do que se imagina. 
o humor tem a civilizatória missão de reduzir o atrito entre as convicções.